Você está aqui: Página Inicial / Entretenimento

Publicado em 26 de Julho de 2010, ás 17h30min

Silicone nos seios deve ser trocado a cada 15 anos

Material da prótese sofre alterações que representam riscos à saúde da mulher

IG/Último Segundo, em Tribuna do Norte

Os avanços, porém, não eliminaram o prazo de validade do material usado nos implantes Getty Images/Photodisc /IG.com.br

Veja Também

As técnicas são múltiplas e as proteses cada dia mais seguras. Implantar silicone nos seios tornou-se uma cirurgia acessível e bastante comum.
 

Os avanços, porém, não eliminaram o prazo de validade do material usado nos implantes. Além do acompanhamento ginecológico, os médicos recomendam que o recall do silicone seja feito a cada 15 anos.
 

Eduardo Luiz Nigri dos Santos, diretor da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica que as próteses, após 10 anos, começam a sofrer alterações na estrutura física. O polímero, membrana que envolve o gel, fica irregular e muda de cor. Para elucidar o processo, o médico compara o silicone a um papel. “É como uma folha de papel, que perde textura e sua coloração natural, fica amarelado ao longo do tempo. Todas as próteses sofrem esse processo e precisam ser trocadas.”
 

Os riscos, embora raros, não são nulos. Além da possível deformação visual – o silicone pode perde a forma, a membrana que envolve o gel, após esse período, tem um défict de resistência e pode romper com maior facilidade. “O silicone gel é um corpo entranho que vai percorrer o organismo. A contaminação não é imediata, como ocorria nas proteses antigas, mas o gel pode se encostar à membrana das células lentamente e, por osmose, trocar de substâncias com elas.”
 

A cirurgia é muito semelhante à de colocação do implante. Na avaliação do médico, o procedimento é simples, mas requer cuidados. Ele explica que é preciso considerar o histórico de vida da mulher nesses 15 anos. A prótese não necessariamente deve ser maior que a anterior. Aumento ou perda de peso, gravidez e idade são fatores que influenciam no tamanho do material.
 

“Dependendo da idade, da etapa de vida, a mulher perde elasticidade. Após a gravidez, amamentação, o seio muda de tamanho. A pele cai. Muitas vezes é preciso remanejar a mama, levantar o seio para que o resultado da troca seja positivo.”
 

Não há contra-indicação tampouco recomendações específicas para o recall do silicone mamário. Os especialistas afirmam que os custos e a recuperação também tendem a ser semelhantes aos da primeira cirurgia. A técnica usada, geralmente, é mantida pelos médicos para não deixar uma nova cicatriz.
 

Luis Carlos Garbosa, Diretor da Sociedade Paulista de Cirurgia Plástica, revela que o procedimento mais recorrente é o inframamário (corte na curva do seio). Segundo o médico, a técnica permite uma visão direta da prótese e não interfere no tecido mamário. Além de deixar a cicatriz escondida, quase imperceptível.

Aviso Importante: O TNonline não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo que sejam postados por "USUÁRIO".

Atenção: Seu comentário passará por um filtro de moderação. O TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.

Escreva seu comentário

escreva seu comentário

AntiRobo enviar comentário
Seu comentário foi enviado e aguarda aprovação.

Não perca tempo e seja o primeiro a comentar esta notícia.